segunda-feira, 7 de agosto de 2017

É que ainda rio quando me lembro

Esta é daquelas histórias que só quem está presente é que acha graça. Daquelas que contadas, e então escritas, perdem pela falta de vivência da situação...e das caras do Parolo.

Uma delas foi a do Isidro que já contei, mas este fim de semana, o Parolo fez das suas de novo.

No Sábado deixamos a Delicinha Parolinha na minha sogra e fomos passear. Subimos pela marginal do Douro até Entre-os-Rios, sem capota, um sol maravilhoso, a companhia ideal, boa disposição, em suma, uma maravilha.

Passeamos, namoramos, conversamos, rimos. Ao fim do dia regressamos (ainda não achamos muita graça em dormir sem a miúda)mas ainda deu tempo para uma Sangria e uma Bruscheta com vista para o mar.
Ao sair do Xiringuito e a caminho da minha sogra, demos de caras com dezenas de motas em grupo. Um dos motards atravessou-se na estrada para que os outros pudessem entrar na via sem se perderem uns dos outros.
Quando terminou o cortejo o Parolo avançou e colocou-se ao lado da cauda final do grupo e, não sei porque ideia luminosa, deu 2 acelaradelas (o carro em que estávamos é um clássico e faz um barulho maravilhoso) o que se ouviu depois foi...Nada...N A D A...a não ser a minhas gargalhadas e eu a dizer "Que bargonha (mentira que não falo assim)!!!"

Bem...a cara dele quando os motards não reagiram, a cara dele a olhar para mim a gozar com ele, a cara dele a desejar que pudesse de qualquer forma fazer o tempo andar  para trás...foi imperdível, glorioso momento em que, mais uma vez, me ri dele e com ele.

Sem comentários:

Enviar um comentário